História & Integrantes

O Viola Quebrada foi formado em 1997 e entrou no mundo do disco em 2000, ao lançar o CD que leva o nome do grupo e que foi gravado durante todo o ano de 1999. Naquela estréia trazia as participações especiais de Pena Branca e Xavantinho, do violeiro Roberto Corrêa e do grupo Terra Sonora, de Curitiba, que faz pesquisa em músicas tradicionais do mundo todo. O disco marcou o último registro sonoro em
estúdio de Xavantinho.
O nome do grupo vem de uma canção de Mário de Andrade, fundador do Modernismo brasileiro e pesquisador musical.
Os componentes fazem jus ao padrinho pois continuam pesquisando bastante para montar os repertórios de seus discos. No primeiro, aproveitou o fandango paranaense e a curraleira, uma dança de Goiás que acreditava-se extinta, mas foi registrada e recuperada pelo violeiro e pesquisador Roberto Corrêa e pela primeira vez apresentada em CD.
Em 2002 lançou o álbum duplo “Viola Fandangueira”, só de fandango paranaense, gravado com a Família Pereira de Guaraqueçaba.
No trabalho “Sertaneja”, de 2003, Zeca Baleiro foi convidado para uma participação especial em um fandango de Paranaguá, “Balão que Cai”.
Segundo consta, a música foi composta sob o impacto do balão dirigível Hindemburg quando este passou pela cidade portuária paranaense. E além da música que dá nome ao disco, ainda estavam presentes outras preciosidades, como “Nhá Carola” gravada em 1956 por Mazaroppi e Lolita Rodriguez, “Cabelo Loiro”, “Cabocla Tereza” e “Boneca Cobiçada” também de 1956.
Em janeiro de 2006 o grupo está lançou o CD Noites do Sertão que tem a participação da cantora Alaíde Costa num repertório só com compositores da nossa MPB.
O grupo Viola Quebrada nasceu da vontade de músicos reunidos em Curitiba de tocar a música caipira brasileira. Os integrantes têm formações musicais diferentes, indo do erudito ao rock, passando pelo
jazz e MPB, mas o Viola Quebrada foi reunido justamente por causa do gosto que todos cultivam pela verdadeira música nativa.
Conseguem uma tessitura de sons que por vezes parecem nascidos de um grupo de cordas. Uma delicadeza que ressalta a tão difícil simplicidade destas canções. Expõem a alma do homem sertanejo com um
toque urbano, não por meio de guitarras ou instrumentos plugados, mas pelo trabalho de harmonização conseguido pela soma de diferentes tendências e experiências.

Setembro de 2015 marca mês do lançamento do sexto álbum, “Meus Retalhos” – trazendo seis anos de composições e arranjos inéditos de Oswaldo Rios e Rogerio Gulin, com parcerias de Consuelo de Paula, Paulo Freire, Rubens Pires, Etel Frota, Chico Lobo e Roberto Prado.

Formação:

Oswaldo Rios – voz e violão;
Rogério Gulin – viola caipira;
Rubens Pires – sanfona;
Sandro Guaraná – contrabaixo;
Marcão Saldanha – percussão e bateria;
Marinez Amatti – voz e violão.

Principais shows:

Janeiro de 2000 – Teatro da Reitoria (Ctba) – Lançamento do CD Viola Quebrada;
Junho de 2001 – Com Almir Sater na Festa junina do SESC Pompéia-SP;
Junho de 2002 – Rio de Janeiro (Aterro do Flamengo) e São Paulo (Parque Ibirapuera) pelo Comboio Cultural da Sec. de Cultura – Pr.;
Junho de 2003 – Teatro Guaira (Ctba) – Lançamento do CD Sertaneja;
Junho de 2004 – Festival Internacional de Cultura de las Tres Fronteras (Shows na Argentina, Paraguay e Brasil)
Julho de 2004 – Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) de Brasília no projeto Ser (tão) Brasileiro com Roberto Correa;
Maio de 2005 – Projeto Pixinguinha (Funarte/MINC) passando pelos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul;
Novembro de 2005 – Teatro da Reitoria (Ctba) com Tinoco;
Novembro de 2005 – Guairão (Ctba) com Zeca Baleiro;
Março de 2006 – Guairão (Ctba) com Inezita Barroso;
Maio de 2006 – turnê com Tinoco por cidades do interior de SC e PR;
Set/06 – show com a cantora mineira Consuelo de Paula no Teatro Paiol, Ctba;
Nov/06 – show com as Irmãs Galvão no Teatro Paiol, Ctba-Pr;
Jun/07 – Prog. Sr. Brasil, TV Cultura-SP, apresentado por Rolando Boldrin;
Set/07 – show em Vitória – ES (Parque da Pedra da Cebola) no lançamento da coletânea “Violando Fronteiras” para 3.000 pessoas;
Nov/07 – show no SESC Centro de Porto Alegre-RS dentro do projeto “Acorde Brasileiro – Encontro Nacional das Músicas Regionais”;
Dez/07 – show na Usina do Gasômetro em Porto Alegre no encerramento do projeto “Acorde Brasileiro – Encontro Nacional das Músicas Regionais”;
Mai/08 – Mostra Cultural de Integração dos Povos Latino-Americanos – Guairão;
Jul/09 – abertura do Festival de Inverno de Antonina/Pr;
Mai/10 – show para gravação de DVD “Viola Quebrada canta Cascatinha e Inhana” com participação das Irmãs Galvão;
Dez/10 – show no Evento MERCOSUL SOCIAL no Cine Teatro da Usina de Itaipu – Foz do Iguaçu;
Dez/10 – show no jantar dos presidentes do Mercosul no mirante central da usina de Itaipu;
Set/11 – show na festa da Luz (Largo da Ordem) – abertura para show de Renato Teixeira e Sergio Reis;
Set/11 – lançamento do DVD “Viola Quebrada canta Cascatinha e Inhana” no Guairão;
Jan/12 – show no CCBB-SP com a Família Pereira, fandangueiros de Guaraqueçaba/Pr;
Ago/12 – show com Jackson Antunes no Teatro do SESI/CTBA;
Nov/12 – abertura da Virada Cultural em Foz do Iguaçu acompanhado da Orquestra Sinfonica do Pr;
Nov/13 – show na Virada Cultural-Pr em Guarapuava-Pr;